New item
DAE
dgert
ordem

 

DOWNLOAD DA REVISTA

EFICÁCIA DE PROGRAMAS DE MINDFULNESS NO BEM-ESTAR DE CRIANÇAS EM CONTEXTO ESCOLAR: REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA
Efficacy of mindfulness programs in the well-being of children in a school context: an integrative review
Eficacia de programas de mindfulness en el bienestar de niños en contexto escolar: revisión integrativa
Daniela Lourenço Pinto; Joana Catarina Gonçalves Grácio; Maria do Rosário da Cruz Morais; Sancha Tatiana Lourenço Martins; Sónia Cristina Sá Casimiro Pereira; Rosa Cristina Correia Lopes

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA E LESÕES FACIAIS: DETERMINANTES PARA O SEU DESENVOLVIMENTO EM INDIVÍDUOS HOSPITALIZADOS, UMA REVISÃO INTEGRATIVA
Non-invasive ventilation and facial injuries: determinants for their development in hospitalized individuals, an integrative review
Ventilación no invasiva y lesiones faciales: determinantes para su desarrollo en individuos hospitalizados, una revisión integrativa
Carlos Quitério; Isabel Cordeiro; Mariana Pereira

INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA MUCOSITE ORAL
Non-invasive ventilation and facial injuries: determinants for their development in hospitalized individuals, an integrative review
Intervenciones de enfermería en la prevención y el tratamiento de la mucositis oral
Rute Severino

O PAPEL DO PAI NA GRAVIDEZ, PARTO E PÓS-PARTO: PERCEÇÕES PATERNAS
Father’s Role in Pregnancy, Childbirth and Postpartum: Parental Perceptions
El papel del padre en el embarazo, el parto y el posparto: percepciones de los padres
Carina  Rodrigues

EDITORIAL
O envelhecimento da população e o aumento da doença crónica tem contribuído cada vez mais para a dependência nos autocuidados da pessoa idosa. A necessidade de cuidados de saúde em relação a este grupo populacional tem aumentado exponencialmente, mas os recursos humanos na maioria dos contextos são insuficientes. Para dar resposta a esta necessidade torna-se imperioso encontrar estratégias inovadoras integrando progressivamente o desenvolvimento de novas tecnologias.
Nos últimos anos tem se assistido a um aumento no desenvolvimento de novos dispositivos na área da saúde, que são utilizados por uma ampla variedade de profissionais que cuidam de doentes com diferentes caraterísticas e em contextos diversos. Provavelmente também nós, nos diversos contextos clínicos, enfrentámos situações com necessidade de recorrer à improvisação (aliás uma teoria proposta por Miguel Pina e Cunha com desenvolvimento conceptual interessante) para responder às necessidades de cuidados e segurança dos doentes, seja por indisponibilidade de dispositivos pelas instituições, seja por nos depararmo-nos com situações novas e desconhecidas, para as quais a criatividade é um elemento chave nas soluções a adotar e a implementar.
A maioria dos dispositivos em saúde têm sido desenvolvidos por engenheiros biomédicos, sempre em parceria com profissionais da área da saúde, reconhecendo-se as mais valias e competências que desenvolveram durante a sua formação e, evidentemente, todo o contributo que esses dispositivos têm para a melhoria dos cuidados de saúde e da segurança dos doentes.
No entanto, ao longo das últimas décadas os profissionais de enfermagem estiveram na génese e conceção de alguns de dispositivos e equipamentos como resposta às necessidades dos doentes (ex: carro de emergência; saco de colostomia; óculos de fototerapia neonatal) e, nos últimos anos, têm colaborado e participado com maior frequência e intensidade, em parceria com profissionais de outras áreas, na criação e desenvolvimento de novos dispositivos de saúde, verificando-se também  um aumento da procura das empresas para desenvolver parcerias.
Problemas de saúde complexos exigem uma resposta altamente qualificada por parte de equipas de profissionais de várias disciplinas. Quando a visão da engenharia biomédica é expandida para incluir a perspetiva prática da enfermagem, ou vice-versa, surgem naturalmente oportunidades para uma maior interface tecnologia-enfermagem e subsequente inovação, com ganhos evidentes para todos os doentes e a sociedade. Uma abordagem inovadora para dar resposta a problemas clínicos que combinam diversas perspetivas tem o potencial de causar uma mudança de paradigma significativa nas inovações direcionadas ao atendimento do doente, na prática de enfermagem e nos cuidados de saúde em geral.
Estamos numa fase de verdadeira mudança de paradigma, para o qual têm contribuído diversas iniciativas e projetos interdisciplinares, onde se reconhece a mais valia da participação dos profissionais de enfermagem nas diversas fases de inovação clínica - que se iniciam com a identificação de problemas em contexto clínico, passando pelo desenvolvimento de uma solução técnica, até a avaliação dos resultados dessa inovação.
Nesta área, não podemos deixar de realçar o trabalho desenvolvido pelo TecCare, projeto integrador de Investigação experimental e aplicada em tecnologias de cuidados de saúde, da Unidade de Investigação em Ciências da Saúde: Enfermagem (UICISA: E) da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra (ESEnfC), nomeadamente pela sua equipa de investigadores, com a coordenação científica do Profº Manuel Rodrigues e coordenação executiva do Profº Pedro Parreira e Profª Anabela Salgueiro-Oliveira.
Um exemplo a acompanhar com muita atenção!

Arménio Cruz