New item
DAE
dgert
ordem

Índice do artigo

Sinais Vitais nº 74 Setembro 2007

 

 

Editorial 

Os cuidados de saúde entraram na era da “accountability”. Hoje os profissionais de saúde têm que prestar contas sobre o que fazem, sobre as razões de fazerem o que fazem, sobre os resultados que as populações podem obter com o que fazem e no final quanto é que tudo isto custa. O conceito de resultados em saúde, não sendo um conceito novo, está a emergir com muita acuidade. Em períodos de pouco desafogo económico, as profissões têm de mostrar a sua efectividade, i.e. mostrar quais são os ganhos que as pessoas ou a sociedade no seu conjunto podem obter pelo seu contributo. Este facto é visível na quantidade de estudos que, cada vez mais, surgem sobre efectividade e sobr e resultados dos cuidados. Mitchell (2001) citado por Pringle & Doran (2003), numa pesquisa na Medline, entre 1978 e 1989, utilizando a palavra outcome como chave, refere não ter encontrado nenhuma r eferência, mas quando fez o mesmo exer cício para os anos de 1997 a 2000 foram listadas mais de 700 citações.

Nas décadas que precederam os anos 90 a enfermagem parecia não ter muito para oferecer, em termos de fortes evidências científicas, quando era solicitada a demonstrar que fazia a difer ença nos cuidados de saúde. No sentido de superar essa dificuldade, a última década tem gerado uma maior quantidade

de estudos cujo objectivo é o de identificar , claramente os resultados que podem ser obtidos pela sua inter venção, demonstrando assim que a enfermagem faz de facto a diferença nas pessoas, nos seus processos de vida, nas transições que se vão operando e também nas suas experiências de doença. Na nossa opinião não está garantido que, havendo evidência que demonstre o efeito directo dos cuidados de enfermagem na forma como os doentes recuperam a sua saúde, ou sobre a forma como as pessoas em geral obtêm ganhos em saúde, ou sobre o bem-estar financeiro do próprio sistema de saúde, isso tenha repercussões na forma como a profissão é valorizada, respeitada e ouvida na determinação das politicas para a saúde, contudo a evidência produzida pode melhorar a qualidade dos cuidados a prestar e evitar a er osão da profissão enquanto tal.

Á medida que se forem desenvolvendo bases de dados que reflictam os cuidados de enfermagem, especificamente os diagnósticos de enfermagem, as intervenções, ficamos mais capazes de avaliar e identificar os ganhos ou modificações na pessoa que resultam dessas intervenções e, nesse sentido, identificar quais as intervenções ou áreas de actuação que produzem melhores resultados e quais os resultados obtidos que são mais sensíveis aos cuidados de enfermagem.

Este é um desafio que os enfermeiros têm que abraçar.

Fernando Amaral